Atualize Já

 
Sem categoria

Pescador aluga para recolher lixo do Rio Tietê e diz que está fazendo sua parte

sdadmin - Publicado em 09/11/2019 às 21:55.

A pesca é uma atividade atrativa para milhões de brasileiros que

sempre aproveitam as horas vagas para dar a famosa ‘pescadinha’

na beirada dos rios ou em lagoas mais escondidas. O hobby não é

diferente para o pintor Marcos Canola, morador da cidade de

Araçatuba, estado de São Paulo.

O pescador nato

que já possui anos de experiência não nega que ama pescar, porém,

vive como um verdadeiro exemplo para se seguir. Marcos pesca

diferente de todas as outras pessoas, ele recolhe lixo na água do

Rio Tietê.

Há mais de 5

anos atrás o ‘pescador’ decidiu que nas horas livres iria ajudar

o planeta e contribuir para o meio ambiente recolhendo o lixo que as

pessoas insistem em jogar no rio, poluindo as águas. Porém, Canola

não é dono de um barco e explicou que precisa sempre alugar um

pequeno barco para dar continuidade em sua limpeza.

Marcos leva

ferramentas diferentes das habituais para pescar, em seu barco vai um

pedaço grande de ferro que ele utiliza para espetar o lixo, uma luva

para poder pegar o lixo sem que sua saúde seja afetada e algumas

sacolas para colocar o que encontra lá dentro.

O pescador contou

que a famosa ‘garrafa pet’ é o item mais encontrado entro do Rio

Tietê, porém, já fez algumas descobertas impressionantes como um

pneu de trator e até mesmo uma geladeira boiando pelas águas do rio

que é um dos mais importantes do estado de São Paulo.

O morador de

Araçatuba admitiu amar a natureza e adorar ajudar o rio na limpeza,

sente que desta forma se torna um exemplo para outras pessoas

seguirem, incentiva a preservação das águas e se sente bem consigo

mesmo, acreditando que sua parte, está realizando.

O herói sem capa

já foi um pescador nato no passado, antes pescava apenas peixe no

Rio Tietê, foi quando percebeu que pescava mais lixo do que os

peixes e decidiu fazer algo para mudar a situação. Marcos deixa

todo o lixo que tira das águas nas lixeiras localizadas na prainha

municipal, local onde a coleta seletiva é feita pelos profissionais

da cidade.